Sepultura – Morbid Visions (1986)

sepultura-morbid-visions-D_NQ_NP_713779-MLB26986645112_032018-F

4a4e7-downloadpic3Morbid Visions é o segundo Álbum do Sepultura, lançado em 1986 pela Cogumelo Records. Foi gravado em São Paulo (No estúdio Vice-Versa, pois a Cogumelo não queria que a banda gravasse no JG Studios em Belo Horizonte, onde haviam gravado o EP Bestial Devastation) e mixado por Eduardo Santos e Zé “Heavy” Luiz e a capa é de um amigo da banda, Alex. O disco figura entre as primeiras gravações de death metal da história, ao lado dos primeiros álbuns do Celtic Frost e Possessed. O estilo do álbum é death metal e black metal. No encarte do Roadrunner de reedição do álbum (que inclui as faixas do Bestial Devastation), Max Cavalera admitiu que a banda negligenciava a afinação de suas guitarras durante as sessões. Este disco foi lançado exatamente um ano após o lançamento do debut da banda, o split LP Bestial Devastation. Foi o último disco com a participação de Jairo T., que deixou o Sepultura por motivos pessoais. Um ano após esse disco, viria o lançamento do próximo álbum, Schizophrenia, com o novo guitarrista Andreas Kisser. A banda já disse algumas vezes que fazia as letras depois que a de bandas como Celtic Frost e Venom estavam feitas, uma vez que ainda não tinham domínio sobre o inglês.

Sepultura – Schizophrenia (1987)

Capa - Schizophrenia

4a4e7-downloadpic3Schizophrenia é o terceiro álbum de estúdio do Sepultura, lançado em 1987 pela Cogumelo Records. É o primeiro álbum da banda com Andreas Kisser. Foi gravado em Belo Horizonte no J.G. Estúdio, em agosto de 1987. Neste álbum o som da banda mostra mais influências do thrash metal, em oposição ao lançamento anterior, Morbid Visions, que era essencialmente um álbum de death metal. O álbum refletiu uma mudança estilística voltado para um som mais thrash metal, enquanto mantinham os elementos de death metal do Morbid Visions. Schizophrenia apresentou uma melhora na produção e na performance dos músicos, e veio a ser uma sensação da crítica por toda a Europa e América do Norte, começando a ser muito requisitado para importação nestes continentes. A gravadora New Renaissance lançou o disco nos Estados Unidos. O furor provocado pelo Schizophrenia fez com que houvesse um lançamento pirata do disco por uma gravadora europeia, que chegou à marca de 30 mil cópias vendidas, porém sem a banda poder usufruir dos direitos autorais. A banda chamou a atenção da Roadrunner Records, que assinou um contrato de sete anos com eles e lançou Schizophrenia internacionalmente, sem sequer tê-los visto pessoalmente.

Sepultura – Beneath The Remains (1989)

sepultura-beneath-the-remains-cd-importado-eu-novo-e-lacrado-D_NQ_NP_531421-MLB20769063258_062016-F

4a4e7-downloadpic3Beneath the Remains é o terceiro álbum de estúdio da banda Sepultura, lançado em 1989. Foi seu primeiro lançamento pela Roadrunner Records. O álbum vendeu mais de 800.000 cópias em todo o mundo. Max Cavalera viajou para Nova York em fevereiro de 1988 e passou uma semana inteira de negociação com a gravadora Roadrunner. Embora eles tenham oferecido um contrato de gravação ao Sepultura, a mesma não tinha certeza do potencial de vendas da banda. O orçamento inicial foi de cerca de U$ 8.000, mas no final os custos foram quase o dobro do previsto. Scott Burns, que já havia produzido registros de metal extremo na Flórida (Obituary, Death e Morbid Angel), foi o produtor escolhido. Burns concordou em trabalhar por uma taxa baixa (2.000 dólares), porque ele estava curioso sobre o Brasil. O Sepultura passou a última metade de dezembro de 1988 gravando o álbum no estúdio Nas Nuvens, no Rio de Janeiro.