Whitesnake – Flesh & Blood (2019)

Cover

4a4e7-downloadpic3O Whitesnake lançou no dia 10 de maio de 2018 seu 13° disco de estúdio, Flesh & Blood. O trabalho marca a estreia do guitarrista Joel Hoekstra e do tecladista Michelle Luppi em um trabalho autoral do grupo – Hoekstra participou de The Purple Album (2015), disco de covers do Deep Puple. Flesh & Blood também é o primeiro trabalho em que David Coverdale compõe junto do guitarrista Reb Beach, que faz parte da banda desde 2002 mas nunca colaborou na composição das músicas.

Whitesnake – Unzipped (2018)

00-whitesnake-unzipped_(super_deluxe_edition)-bonus_tracks-web-2018

4a4e7-downloadpic3Lançado em outubro de 2018 o box Unzipped: Super Deluxe Edition traz faixas acústicas raras e inéditas, gravadas nas últimas duas décadas. O Whitesnake revisita suas melhores performances acústicas com este “Unzipped: Super Deluxe Edition”, que em cinco CD/DVD junta sessões unplugged e quase acústicas realizadas nos últimos vinte anos, incluindo material raro de estúdio e ao vivo, demos, entrevistas e muito mais.

Whitesnake – The Purple Tour (2018)

Whitesnake_ThePurpleTour_Packshot

4a4e7-downloadpic3Em 2015, a banda Whitesnake lançou “The Purple Album”, com músicas do Deep Purple da época em que David Coverdale fazia parte da banda, todas repaginadas. O álbum foi seguido por uma extensa turnê que ficou documentada em CD/DVD, LP Duplo e até num livro intítulado “The Purple Book”, com fotos de bastidores, notas da banda e um detalhamento música por música do setlist da turnê.

Whitesnake – The Purple Album (2015)

R-7170857-1435822976-9680.jpeg

4a4e7-downloadpic3The Purple Album é o décimo segundo álbum de estúdio da banda britânica de hard rock Whitesnake. Ele contém remakes de músicas das bandas Deep Purple Mark III e Mark IV, quando o vocalista do Whitesnake, David Coverdale, era um membro da banda. Juntos a muitos anos, Coverdale e Doug Aldrich se separam e rapidamente Joel Hoesksta assumiu as guitarras e conseguiu incluir uma timbragem moderna e bem límpida nas gravações do disco de covers. Em “The Purple Album” a grande maioria são músicas do disco “Burn” que soma seis faixas no álbum, são elas as clássicas Burn, You Foll No One, Sail Away, Mistread, Might Just Take Your Life e Lay Daown Stay Down, do álbum “Stormbringer” temas quatro faixas, as músicas escolhidas foram, The Gypsy, Holy Man, Soldier of Fortune e Stormbringer, do disco “Come Taste the Banda” somente a faixa You Keep on Moving, figura no “The Purple Album.

Whitesnake – Live In ’84 : Back To The Bone (2014)

819pgib2bML._SL1500_

4a4e7-downloadpic3David Coverdale era acompanhado na estrada em 1984 pelo guitarrista John Sykes, o baixista Neil Murray e o baterista Cozy Powell, depois do aclamado álbum Slide It In. Com Coverdale no auge e em vias de ser considerado um dos maiores vocalistas da história do rock, fica difícil evitar o clima de nostalgia em um repertório que traz gravações realizadas durante a turnê do álbum Slide It In, lançado no mesmo ano e embalado por alguns dos maiores clássicos do grupo. Some a isso um line up formado por músicos do calibre do baterista Cozy Powell e o tecladista Jon Lord e fica difícil imaginar que os shows da banda inglesa não fossem, no mínimo, apoteóticos. Live In 1984: Back To The Bone não abre espaço para improvisos. Tem em David Coverdale a figura central de uma apresentação intensa, que comparada aos dias de hoje parece ter sentido pouco a pressão do tempo, excetuando-se aí somente o natural desgaste da voz do vocalista. Emendando hit atrás de hit, faixas mais intensas da banda como Guilty of Love e Gambler impressionam logo de cara, assim como a obra-prima composta por Mel Galley, Love Ain’t No Stranger, ponto alto da primeira parte do show.

Whitesnake – Made In Britain / The World Record (2013)

Front

4a4e7-downloadpic3Durante a turnê do bom disco “Forevermore”, a banda Whitesnake fez alguns registros ao vivo, que resultaram em mais um lançamento da banda neste formato. “Made In Britain / The World Record”, como o próprio nome sugere, tem trechos de sua gravação realizados em terras britânicas e em vários outros locais do mundo. “Made in Britain/The World Record” mostra-se um sucessor digno do “Made in Japan”, mesmo com um repertório muito próximo de seu antecessor e que talvez torne-se desnecessário para quem já o tenha ouvido. Mas é totalmente indicado para quem é fã de verdade ou mesmo para apresentar à banda para os mais novos, que com certeza irão querer se aprofundar na obra do Whitesnake com esse bom lançamento.