The Darkness – Hot Cakes (2012)

61fFzio24XL

4a4e7-downloadpic3Hot Cakes é o terceiro álbum de estúdio da banda de rock britânica The Darkness, lançado em 20 de agosto de 2012 pela Canary Dwarf Records. A espera foi longa. Após as desavenças que findaram o The Darkness em meados de 2006, Justin Hawkins foi tratar seu vício de drogas e formou o Hot Leg, grupo mediano que carregava ainda mais seus exageros vocais. Os outros integrantes formaram o excelente Stone Gods, que adotou uma postura mais moderada e até mais pesada em certos momentos. Mas, ao fazer as pazes cinco anos depois, o consagrado The Darkness estava de volta. Desde 2011, o álbum de volta, “Hot Cakes”, estava sendo preparado. A expectativa sobre o novo play era imensa. As encrencas foram deixadas de lado e até o baixista original, Frankie Poullain, foi trazido de volta

The Darkness – Easter Is Cancelled (2019)

cover

4a4e7-downloadpic3Easter Is Cancelled é o sexto albúm da banda britânica de glam/hadr rock The Darkness lançado em 04 de outubro de 2019. O trabalho, segundo o The Darkness, é conceitual e analisa o papel do músico na cultura bárbara do mundo atual – e sua responsabilidade de desafiá-la.

The Darkness – One Way Ticket To Hell…And Back (2005)

darkness-one-way-ticket-to-hell-cd-d_nq_np_619246-mlb26383953710_112017-f

4a4e7-downloadpic3One Way Ticket to Hell… and Back é o segundo álbum de estúdio lançado pela banda inglesa de glam rock The Darkness, em 2005. Em 2005, Frankie Poullain sai da banda e é substituído por Richie Edwards, no mesmo ano que estava sendo gravado o álbum “One Way Ticket to Hell… and Back”. Richie Edwards não tocou baixo no disco, pois todas as gravações já haviam sido feitas por Frankie.

The Darkness – Permission To Land (2003)

11599-permission-to-land

4a4e7-downloadpic3Permission to Land é o álbum de estreia gravado pela banda inglesa de glam rock The Darkness, lançado em 2003. Com influência do glam rock da década de 70 e de bandas como AC/DC e Slade, o álbum atingiu grande repercussão mundial. Antes de chegar nos Estados Unidos, o grupo teve que regravar uma canção do disco para tirar o excesso dos palavrões. Um ano depois do lançamento, comemoraram 1,2 milhões de cópias vendidas na Inglaterra e mais de meio milhão nos Estados Unidos. A consagração veio em 2004, com quatro indicações ao Brit Awards. Foram elas: Grupo Revelação, melhor Grupo Inglês, Banda de Rock e Disco. O grupo levou as três últimas.

The Darkness – I Believe In a Thing Called Love (2002)

www.rockdown13.com

4a4e7-downloadpic3“I Believe in a Thing Called Love” é uma canção da banda de rock inglesa The Darkness, lançada como o terceiro single do seu álbum de estréia, Permission to Land. Quando lançado como single em setembro de 2003, atingiu o número dois no Reino Unido Singles Chart, logo atrás de “Where Is The Love?”, Do Black Eyed Peas. O vocalista Justin Hawkins faz boa parte da música em falsete. Como a maioria das faixas da banda, ela é influenciada pelo rock glam dos anos 1970, como o T. Rex e o Slade. O lado B do single traz as faixas “Love On The Rocks With No Ice” e “Love Is Only A Feeling”.

The Darkness – Pinewood Smile (2017)

pinewood smile_the darkness

4a4e7-downloadpic3Recheado de faixas explícitas e de duplo sentido, como de costume, o quinto álbum de estúdio do The Darkness – Pinewood Smile – explora toda criatividade do grupo. Os britânicos apostam num rock’n’roll setentista mais direto e não tão comercial como no início da carreira. Esbanjando o carisma de sempre, o espalhafatoso Justin Hawkins dá um show de interpretação, e mostra que seus inconfundíveis falsetes continuam afinadíssimos. Com bastante personalidade, o baterista Rufus Tiger Taylor (filho do lendário Roger Taylor do Queen) faz sua estreia em estúdio com os caras. Gravado no condado de Cornualha (Reino Unido) com o vencedor do Grammy, Adrian Bushby (Foo Fighters), Pinewood Smile é a melhor obra do The Darkness desde o clássico Permission to Land (2003).